Número total de visualizações de página

quinta-feira, 21 de julho de 2011

ANTÓNIO PINA PRÉMIO CAMÕES

Foto extraída do Jornal de notícias







Há hábitos mecânicos dos quais desconhecemos a origem, a razão ou o reflexo condicionado, que nos impulsiona a
insistentemente da mesma forma proceder...

Sempre começo a minha leitura do jornal, da revista ou
do livro pela ultima página; por hábito ou talvez porque 
no meu subconsciente exista o misterioso desejo de 
conhecer o (fim?...)
Sempre assim foi e duvido que algum dia seja de outra forma...

Assim sendo, o artigo  de opinião diáriamente assinado por Manuel António Pina na ultima página do JN é o meu  
primeiro deleite literário,  acompanhado de um cimbalino  
e um cigarro, e que contrariedade sinto, quando (raramente) por alguma razão, o artigo não está presente...

Aí! O dia já começa mal...

Eis pois que António Pina já não é ele só... faz parte do
universo de vida de cada leitor seu e sentindo-nos nós mesmos fundidos com ele, (ainda que por vezes discordemos) chegando
a tornar-se familiar a maneira de o ler e estudar.  

A sua opinião,  pela acutilância e força das suas palavras escritas com o coração,  adornadas pela finura dos sentidos e cheias daquele toque de simplicidade,  naturalidade e generosidade  de que apenas alguns eleitos são investidos, tornam-se como um ato indispensável ao dia dia de alguns.

Não se pense que conheço António Pina, de forma alguma, o meu conhecimento advém apenas dos  seus escritos e da
sua obra que há pouco foi justamente reconhecida com a atribuição do prémio Camões e ao qual ele simplesmente se referiu como: É a coisa mais inesperada que podia esperar.(M.A.P.)

Inesperada pode ter sido na sua maneira simples e natural de ver  e sentir, mas merecida, digo eu, pois a polivalência da escrita do laureado vai muito para além do que é normal...
E se Manuel António Pina sai prestigiado com o prémio Camões, mais prestigiados saem Portugal e nós portugueses
por sabermos que a literatura e a poesia  é das poucas coisas  que resistem ao déficit e estão de boa saúde na lusa terra. 
Conhecer o  pensamento e a  obra do laureado ilumina  o espirito e refresca a mente conforme se pode verificar
no poema seu, que escolhi para completar esta minha singela homenagem  ao escritor e poeta.

Arte poética


Vai pois,poema, procura
a voz literal
que desocultamente fala
sob tanta literatura.

Se a escutares, porém tapa os ouvidos,
porque pela primeira vez estás sózinho.
Regressa então, se puderes, pelo caminho
das interpretações e dos sentidos.

Mas não olhes para trás, não olhes para trás,
ou jamais te perderás;
e teu canto, insensato, será feito
só de melancolia e de despeito.

E de discórdia. E todavia
sob tanto passado insepulto
o que encontraste senão tumulto,
senão de novo ressentimento e ironia?


A Manuel António Pina e aos meus leitores e seguidores,
deixo o meu abraço e o meu afeto.
João Quitério.