Número total de visualizações de página

quinta-feira, 19 de maio de 2011

MUSA

Chegas de mansinho,  pela noite quando a cidade dorme e as estrelas brilham.

Aninhas-me no teu peito aristocrático, diafano, quente e cheio de promessas;

acaricias-me com  mãos suaves  como quem tudo sabe e tudo me pode inspirar.

Esforço-me para tornar claras as ideias e paro de respirar,

quero reter na mente o momento e escrever  o  turbilhão de ideias, que me invade.

Mas tu  cruel amiga, às vezes és fugidia como um sonho de  breves instantes,

outras irrompes em mim como  a água da nascente incontrolada em busca do  caminho,

esmagas-me  sentimentos e ideias;

com a tua cimitarra flamante cortas-me  o coração e esmagas o meu querer.

E eu pobre mortal, adormeço no teu seio enganador;

e ás noites  lentas sucedem  os dias que vão passando em vão

e o engenho e arte vai faltando...

...e não consigo escrever.

Liberta-me, dá-me vida, deixa-me  voar.