Número total de visualizações de página

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

CHIQUINHO de Rio de Mouro... ou o maior dos afetos!





O ódio e o amor são os dois mais poderosos afetos da vontade humana...
Padre António Vieira


CHIQUINHO O FIEL AMIGO  DE RIO DE MOURO



A notícia foi amplamente divulgada em Portugal:
(chiquinho), assim lhe chamam, é um cachorro  de Rio de Mouro no concelho de Sintra que como sempre fazia, acompanhava a amiga e dona com quem vivia, ao centro de saúde Dr.Joaquim Paulino a uma consulta.

A senhora entrou no centro e dali foi transportada ao hospital de Amadora Sintra de ambulância, onde viria a falecer...
Passavam os dias e chiquinho continuava em frente do centro
de saúde esperando e esperando, tão pacientemente como só
um amigo canino o sabe fazer...
Triste e melancólico, dali não arredou patas sempre esperando,
sempre espreitando a porta esperando
que sua amiga aparecesse para regressar ao lar que partilhavam.
Gente boa do centro de saúde e arredores foram alimentando
tão fiel amigo de quem não poderia voltar mais...
Chegaram mesmo a construir uma casota em madeira para
que chiquinho, na sua interminável espera não passasse frio.
Televisões e jornais lhe dedicaram tempo que considero bem
mais útil do que os tempos dedicados a iniciativas governamentais e troikianas... Nem me constou que a troika
desse diretrizes do que fazer com o bicho num tempo em que
ela opina e controla toda a vida portuguesa. Confesso que cheguei mesmo a esperar que a sra. Merkel e o seu porta-chaves
francês dessem diretrizes do que fazer com o bicho...
Mas não! Nisto de afetos e necessidades as coisas passam-lhes ao lado...

Finalmente no JN  vejo a boa notícia, o chiquinho foi adotado por uma família da Damaia que se propõe dedicar-lhe o carinho, senão igual, pelo menos semelhante ao que tinha e estava habituado...
Eu, apreciador dos bichos, e com dois adotados por abandono,
(o rasteirinho e o mickei,) afirmo com convicção que chiquinho irá retribuir com juros altos o afeto que lhe dedicarem...

Mas cabe aqui uma breve reflexão sobre o amor e os afetos
dos bichos, e dos nossos amigos...
Quem não teve já longas horas de espera em hospitais e centros de saúde por amigos ou familiares?...
Todos temos alguns bons amigos na vida, mas qual deles seria capaz de tamanha entrega?

No tempo que esperamos não nos cansamos de perguntar se
demora, como está, e como será?
Nesse tempo de espera, quem se inibe de ir á cantina tomar
um cafézinho ou lanchar? Ou mesmo dar um salto a ver como
as coisas correm no escritório ou em casa?...
E claro, é humano, entendivel e aceitável...
Lentamente todos voltamos às nossas rotinas... pese embora o amor e o afeto que liga os humanos e dos quais nunca devemos duvidar.
Mas amor e afeto como o demonstrado por este e outros animais
nós ainda não cultivamos  entre nós, nem com os animais...
Todos temos sempre muita pressa...
E sem mais considerações deixo para os meus leitores e amigos
blogueiros um pedido para uma reflexão:
Nos tempos dificeis que nos assolam em que a perda da vida
a que muitos estavamos habituados, a troika e o governo, mais insensivel que já conhecemos,  nos está tirando lentamente,
não viremos a cara para o lado e encaremos os afetos que uns
e outros necessitamos dar e sentir e que por muito fortes que sejam, apenas serão uma pálida imagem dos afetos que o chiquinho nos trás numa lição de amor e entrega inigualável.

E porque é fim de semana, que governo ainda  mantém, reflexionemos...

Com um abraço e o  meu afeto

João Quitério