Número total de visualizações de página

quarta-feira, 27 de abril de 2011

OS AMIGOS

Amigos são a família que escolhemos e que não nos foi imposta por convencionalismos de nome, de sangue, de adn ou de casamento.

Escolhemo-los por razões que na maior parte das vezes a razão desconhece mas o coração determina. São porque sâo e ponto.

Amigos há cujo coração é como a trepadeira, que onde se encosta cria raízes.

Ter amigos, é ver a solidão derrotada, é ter a verdade partilhada e praticada mesmo quando essa verdade dói e não vem ao encontro dos nossos ideais.

Mas ter amigos é uma grande tarefa, é um trabalho sem fim, uma construção permanente e alegre mas que também envolve renúncias e tristezas misturadas com a alegria de ver olhares limpidos e francos e corações abertos que se sentem a pulsar num abraço entusiasmado ou num apertar de mãos.

Ter amigos é como ser lavradores a cuidar da vinha, amigos que compartilham a boa colheita como a desgraça da sua perda.

Amigos que mesmo se de lábios fechados sabemos o seu pensamento de comunhão com as nossas alegrias e também com as nossas tristezas e derrotas.

Amigos que lêem na profundeza do nosso olhar o que nos vai na alma, o que nos atormenta.

Amigos cujo conhecimento vem de outro espaço e de outro tempo, migrados de outras vidas das quais não temos lembrança e que não sabemos explicar.

Amigos de um tempo só imaginável e explicável á luz da espiritualidade de um espaço que sucessivamente é preenchido repetitivamente até á perfeição que merecemos e ambicionamos e onde finalmente seremos um tôdo de luz.

A esses amigos, que sabem que o são, sem que lho diga, dedico esta crónica com tôda a minha amizade e o meu afecto.